EXÍLIO E MEMÓRIA EM “JESUSALÉM” DE MIA COUTO

Por Domingas Monte[1] Os exilados estão separados das raízes, da terra natal, do passado. Em geral, não têm exércitos ou estados, embora estejam com frequência em busca deles. Portanto, eles sentem uma necessidade urgente de reconstituir as suas vidas rompidas e preferem ver a si mesmos como parte de uma ideologia triunfante ou de um

Ler Mais

“A Canção Kongo e Ovimbundu – Atravessa o Atlântico e navega pelo Tejo e Douro”

Por Luísa Fresta Lisboa, 25-04-19 Nesta obra faz-se um estudo centrado em duas etnias em Angola, os Ovimbundu e os Bakongo, e perdoem-me qualquer imprecisão que a autora fará o favor de corrigir. São etnias que abrangem regiões diferentes de Angola e que no seu conjunto englobam cerca de 50% da população pelo que o

Ler Mais

A POLÍTICA DE NETO: Afirmação da construção de um Estado (Análise Literária do Discurso da Proclamação da República Popular de Angola – 11/11/1975)

Por: Isaac Jorge, Joaquim Caundo e Rosa Camolaquenda[1] INTRODUÇÃO A certos homens é-lhes incumbido não só o direito, como o dever passivo de velarem pelo bem comum, intrínseco a cada um de nós, desempenhando diversas funções para alcançarem tal fim. Como estipulou Maquiavel, “Tempos de guerra necessitam medidas extremas”, e estes momentos também requerem inevitavelmente

Ler Mais

DELÍRIOS, O DIVÃ DO POETA DO RIO KWANZA: UMA TENTATIVA DE PSICOLEITURA

Por: Adilson Gonçalves[i] «O que à pobre mente ocorre, vejo se a boca discorre e se, alfim, da luta esqueço o mundo e as suas misérias; eis surgem ideias sérias, quero falar… e emudeço!»  Cordeiro da Mata in Delírios As circunstâncias latentes da abordagem a que nos propusemos fazer, coincidem conceptualmente com o poema «Fisionomia»

Ler Mais

Nunca Amei

I Se minha boca um dia acaso proferiu juras de “eterno amor” foi engano… mentiu! Porque jamais o fogo que o coração inunda. arreigou em meu peito uma paixão Se foi d´ebriedade a hora em que brilhou, só fulgiu um instante e logo se apagou!… Foram puras quimeras que esta mente doidaram, sonhos dum momento,

Ler Mais
Imagem

“A Canção Kongo e Ovimdundu – Tradições e Identidades”

57297741_2302105873190067_1316961058853748736_n

Imagem

“A Canção Kongo e Ovimdundu – Tradições e Identidades”

Lançamento

A associação Mwelo Weto (Nosso Portal) em parceria com o INICC (Instituto Nacional das Indústrias Culturais e Criativas), anunciam o lançamento do livro: “A Canção Kongo e Ovimbundu – Tradições e Identidades” da escritora e docente universitária Domingas Monte. A obra destina-se a estudantes, professores, investigadores e a todos os que se interessam pela ciência e pelo conhecimento.

“A canção, sobretudo em África, é um pedaço cultural por excelência. A canção, junção de múltiplos ingredientes (voz, letra, melodia, gesticulação, ritmo, instrumento, dança, etc.), pela participação e adesão que cria e impõe sem realmente impor, pode, com razão, ser considerada como um todo único, para além de riquíssimo. É uma das mais ricas manifestações

Ler Mais

REALIZA-SE EM LUANDA COLÓQUIO SOBRE KUDURO

A Associação Mwelo Weto em parceria com a Mediateca de Luanda, realiza nos dias 28 e 29 de Março o colóquio sobre kuduro, sob oblema: “a hora e a vez do kuduro: um olhar científico”. PARTICIPEMOS!

CONVERSA COM ABREU PAXE – SARAU POÉTICO LITERÁRIO, 1.ª EDIÇÃO

“Bom, eu não olho para a literatura angolana entre antiga e moderna, não; não olho para esse lugar, porque para a minha compreensão hoje eu olho, ou seja, todos os fenómenos que acontecem na vida explicam-se na cultura, do mesmo modo a literatura explica-se na cultura. Entretanto, olhar para a literatura, seja ela um texto

Ler Mais
%d bloggers like this: