Ne Kooko ye Mfwenge – O Galo e a Raposa

Conto em Kikongo, língua falada no norte de Angola. 

A língua kikongo cobre uma boa parte da região nordeste do País, nas províncias do Zaíre, Uíge e Cabinda. A sua área de difusão estende-se também além das nossas fronteiras, ela é falada na República Democrática Do Congo, na República do Congo e na República do Gabão. O grupo etnolinguístico chama-se Bakongo com quatrocentos e oitenta mil falantes. As línguas vizinhas são: O kimbundu a sul e sudoeste e o Cokwe a leste.

Ne Kooko ye Mfwenge

Lumbu kimosi Mfwenge wayuvula kooko dya nsusu:
–      E n´kundyame nsunsu kyokyo kima wuna kyawu van´tandu a n´tu nga lenda kwandi lwekila kyo n´kwaku wuta nwana yandi?
–      Nkya ngindu zozo ngeye n´kundyame mfwenge. Yayi mbizi kwandy kaka ya vyengesela yeto makooko mansusu.
–      Kyeleka? Mono yindulanga n´kele wangolo, lendu yovo mbumba ya ngolo zaku.
Kooko dya nsunsu wasivika. Yawu wole bayantika dyaka sakana. Mu ntangu ya fuku mfwenge ye nsunsu bavutuka mu nzo zawu.
–      Kinga wonga wa mpamba yimonanga kwa nsunsu…
Fuku wamvimba wayindula ye bubika fwandu.
Muna lumbu kya landa bayantika sakana. Keva vyoka ko kolo kya yingi ko, mfwenge wamanta kunima a kooko dya nsunsu ye wamfina laka muna ngolo zawonsono. Nsunsu wawu kapupumuka wavanga ngolo muna kukikula wazaka:
– Nki zolele mfwenge? Nkya nsaki zazi? Mbi wuta kunvanga.
Kansi mfwenge kavana mputwilu ko, ye wan´tatika muna laka um ngolo zayingi ye wamvonda vana fulu kyokyo.
Disongele vo:
Dikalanga dyambote, zaya sola yikikundi yambote, zaya lunda mbumba kinumana twazayanga kukikeba.
Tradução: O Galo e a Raposa
 
Um dia a raposa, perguntou ao Galo.
– Amigo galo, essa saliência que tens na cabeça será alguma lança? Será que ela fere quando lutas com alguém?
– Que ideia, amiga raposa! Isso são carnes apenas, que servem para enfeitar e envaidecer os galos.
– Sério? E eu que sempre julguei que fosse uma arma terrível, que fosse o segredo da tua força e defesa!
O galo achou graça. Ambos continuaram a brincar. À noite como, habitualmente, o galo foi para a casa e a raposa ao seu covil.
A raposa, no entanto, ficou a cismar com a revelação que o galo lhe fizera:
– Ora essa, eu com medo do galo e afinal ele é inofensivo…
Passou a noite inteira a pensar no seu plano.
No dia seguinte, de manhã cedo, apareceu o galo e como de costume, foram brincar. A certa altura, a raposa salta para cima do galo e agarra-lhe o pescoço com força, tentando estrangulá-lo. O galo debateu-se, esforçou-se por libertar-se acabou por gritar:
– Que estás a fazer raposa? Que brincadeira é essa? Estás a fazer-me mal.
Mas a raposa, em vez de responder, mordeu-lhe o pescoço com tanta força que o matou no mesmo instante.
Aprendizado:
Saber escolher as amizades, saber guardar os segredos e ser prudente.
Conto kongo/recolha da tradição oral

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: