Línguas de Angola

As línguas em Angola dividem-se em dois grandes grupos: Línguas não Bantu e Línguas Bantu. As línguas não bantu compreendem a língua portuguesa e as línguas khoisan. A nossa abordagem primeira vai para as línguas bantu pois são as mais faladas em todo território nacional por serem as maioritárias.

1º A Língua Umbundu

O grupo que fala essa língua é o Ovimbundu. Estende-se no território a meio da metade oeste de Angola, subindo à beira mar para as terras altas. O grupo é formado de Bié, Mbalundu, Sumbi, Mbuvi, Kacisanje, Bumbu, Mdombe, Mwanya, Nganda, Huambo, Sambu, Kakonda e Cikuma.

É o maior grupo etnolinguístico de Angola acima de um milhão e quinhentos de pessoas são agricultores. A língua umbundu é uma das línguas mais centrais de Angola falada no planalto. A sua área de difusão engloba três províncias: Benguela, Uíge e Huambo, também fala-se nas províncias vizinhas do Namíbe, Kwanza sul e Huíla, como línguas vizinhas temos: a norte a língua kimbundu, a leste o Cokwe e Ngangela e a sul o Oshilelo e Nyaneka. As variantes do Umbundu são: Kacisanje, Mbalundu, Sele, Zumbi, Mbwi, Obundu, Ndombe, Muhanya, Nganda, Wambu, Sambu, Kakonda e Cikuma.

2º A Língua Kimbundu

O grupo etnolinguístico ambundu vive numa grande extensão do território nacional, que se estende entre o mar do rio kwango ultrapassando o curso deste para o leste. O mesmo seguiu para sul abrangendo o baixo e médio kwanza. Mil e quinhentas (1500.000) pessoas são locutoras do kimbundu.

Variantes do povo ambundu são: Songo, Bangala, Minungu, Xinji, Holo, Kari e Kibala. A língua kimbundu domina as províncias do Bengo, Kwanza Norte, norte da província do Kwanza sul, Malange e Luanda. As línguas vizinhas do kimbundu são: a norte o kikongo, a este o Cokwe e a sul o umbundu.

3º A Língua Kikongo

A língua kikongo cobre uma boa parte da região nordeste do País, nas províncias do Zaíre, Uíge e Cabinda. A sua área de difusão estende-se também além das nossas fronteiras, ela é falada na República Democrática Do Congo, na República do Congo e na República do Gabão. O grupo etnolinguístico chama-se Bakongo com quatrocentos e oitenta mil falantes. As línguas vizinhas são: O kimbundu a sul e sudoeste e o Cokwe a leste.

4º A Língua Cokwe

É falada pelo grupo etnolinguístico tucokwe, que habitam nas províncias da Lunda Norte, Lunda Sul e no Moxico com um prolongamento profundo na província do Kuando Kubango. A língua Cokwe é também falada fora das fronteiras de Angola: Congo, Namíbia e na Zâmbia. A língua Cokwe tem os seguintes limites: A sul a língua Nganguela, a noroeste a língua kikongo, a sudeste o Umbundu e a este o Kimbundu.

5º A Língua Ngangela

O grupo habita em duas grandes regiões: uma na província do Moxico e Kuando Kubango, na fronteira leste, desde a bacia do rio Zambeze até ao curso do rio Kubango. A outra no centro do País, nas províncias do Uíge e Malange, trezentos e duzentos e vinte e oito mil (328.000) pessoas repartidos entre os Luimbi, Lwena, Luvale, Lucazi, Mbunda, Kamaxi, culturalmente são mais chegadas às culturas dos povos da bacia do rio Zambeze. Este povo é agricultor, caçador e pescador e também dedicam-se a escultura e são famosos pelas obras de cerâmica.

A língua Ngangela é falada nas províncias do Kuando Kubango na parte sudoeste da província do Moxico e da província do Uíge na parte leste. O Ngangela tem ramificações na República da Zâmbia onde algumas das suas variantes são faladas pelas populações locais. As línguas vizinhas do Ngangela são: a norte a língua Cokwe, a sudoeste o Umbundu, a oeste o Olunyaneka e a sul o Oshindonga. Como variantes temos: o Lwimbi, o Luvale, o Lucazi, o Mbunda e o Kamaxi. 

6º A Língua Oshikwayama

O grupo etnolinguístico chama-se Ovakwayama e ocupa um vasto território nas planícies ao longo da fronteira sul de Angola. Os ovakwayama inglobam os Evale, os Kafima, os Kwamato, os Ndombondola e os Kwangali.

Sessenta e duas pessoas falam a língua Oshikwayama são fundamentalmente criadores de gado, apesar de praticarem também a agricultura; a língua deste povo é falada na província do Kunene situada no sudeste de Angola. O Oshikwayama como outras línguas tem um estatuto de língua nacional, a guerra obrigou uma parte dos seus locutores a instalarem-se no sul da província da Huíla deixando a influência da sua língua na região. Esta língua tem uma influência notável na Namíbia onde é tida como uma das línguas maioritárias com uma implantação importante. O Oshikwayama exerce também um papel plurifuncional na Namíbia. As línguas vizinhas do Oshikwayama são: a norte está a língua Olunyaneka, a oeste o Oshihelelo e a leste o Oshindonga. Variantes da língua Oshikwayama: Evale, Kafima, Kwayama, Kwamato, Ndombondola e Kwangola.

7º A Língua Olunyaneka

O seu grupo etnolinguístico chama-se Ovanyaneka Nkhumbi e a sua língua Olunyaneka. O grupo estabeleceu-se no planalto da humpata e nos territórios do curso médio do rio kunene que constitui a espinha dorsal do seu domínio tem cerca de cento e vinte e nove mil (129.000) falantes ovanyaneka e vinte e nove (29.000) ovakhumbi. Como constituintes desses grupos temos os mbuila, ngambwe, nkhumbi, ndonguena, hinga, khonkwa, honda, cipungu, ocilenge, cilenge e muso. Apesar de praticarem a agricultura, a pecuária constitui a principal atividade económica do grupo.

A área de difusão da língua Olunyaneka centra-se na província da Huíla estendendo-se até à província do Cunene com uma influência nas províncias de Benguela e Namibe. Com as seguintes variantes: handa, hinda, kumbi, mwila, ocilenge, cilenge, muso, cipungu, ndongwena e nkhumbi. As línguas vizinhas são: A norte o Umbundu, a Este o Ngangela, a sul e sudeste o Oshikwama e o Oshindonga e a sudoeste o Oshihelelo.

8º A Língua Oshihelelo

O grupo etnolinguístico chama-se Ovahelelo vive no extremo sudoeste de Angola na orla do deserto do Namibe e tem vinte e cinco mil (25.000) de pessoas formadas pelos grupos: himba, ndimba, cavikwa, kwangoka, kuvale e vangendelongo.

Este povo dedica-se essencialmente à pecuária, encontram-se semelhanças étnicas entre povos que habitam na Namíbia. A área de difusão situa-se no ângulo do sul a este de Angola precisamente na província de Namibe. A variante mukubal (oshikuvale) é a de maior expressão, estende-se também na Namibia onde tem uma demografia importante. As línguas vizinhas são: a norte o Umbundu, a oeste o Olunyaneka e a sudoeste o Kwayama. As suas variantes: cavikua, kuvale, himba, ndimba, kwanyoka e o vongendelongo.

9º A Língua Oshindonga

O grupo etnolinguístico chama-se Ovandonga. Este grupo é pouco denso vive no extremo sudoeste de Angola nas margens entre o curso dos rios kubango e kuandu, os kusu e nyengo e os diriku perfazem cerca de cinco mil (5.000) indivíduos que formam o grupo etnolinguístico. A sua história etnográfica e «modus vivendi» são ainda pouco estudadas.

A língua é uma variante Oshilwange circunscreve-se numa área muito restrita. Ela está confinada no ângulo sudeste da província do Kuando Kubango e possui um número razoável de locutores na Namíbia. As línguas vizinhas do Oshindonga são: a norte o Ngangela, a sul o Oshikwayama e a leste o Oshikwayama.

As Línguas Khoisan

As línguas khoisan, caracterizam-se pelo uso de cliques como fonemas, a língua kung-ekoka possui mais de 50 consoantes-clique em mais de 140 fonemas separados e a língua ǃxóõ tem um enorme reportório de fonemas, que incluem vários sons estridentes e faríngeos.

Gramaticamente, as línguas khoisan são, em geral, isolantes. Os sufixos são usados com frequência, mas a ordem das palavras é usada com mais frequência que a inflexão.

As línguas khoisan compreendem as dos Hotentotes (khai) e as dos bosquímanes constituindo uma unidade linguística ainda que certos traços particulares permitem caracterizar cada grupo. Um desses traços é da diferenciação dos géneros masculinos e femininos nos pronomes de que apenas o grupo central bosquímane conhece a distinção.

As línguas bosquímanes compreendem idiomas distintos mais aparentados, podem repartir-se em três grupos o do sul, o do centro e o do norte, ao último grupo pertencem os falares dos bosquímanes de Angola. O grupo hotentote tem um sub-grupo do norte e um do sul.

Bibliografia

Fernandes, João; Ntondo, Zavoni, 2002, Angola: povos e línguas, Luanda, Editorial Nzila.

Ndonga, Mfuwa, 2002, a língua kikongo – uma breve apresentação, (revista kulonga das ciências da educação e estudos multidisciplinares), 147-170, Luanda, edições kulonga.

Por Domingas Monte

4 comments on “Línguas de Angola

  1. Hélder JonaS
    30 de Novembro de 2015 at 14:55 #

    Acho que faltou o Fyote

  2. Isabel inocencia Bengan
    21 de Setembro de 2018 at 16:26 #

    foi muito bom ter lido esta materia,me ajudou muito no que tange o meu trabalho de sociolinguistique.
    so notei erro no que tange o numero de locutores do povo ambundu,porque esta escrito em extenso mil quinhetas(1.500.000).
    Espero que haja correçao so neste aspecto.

  3. Valentim Butoto
    16 de Setembro de 2019 at 9:08 #

    Achei interessante o trabalho sobre as línguas de Angola, todavia, há um trecho que acho que um erro – a língua Umbundo (…) “A área de difusão engloba três províncias: Benguela, Uíge e Huambo”. Será isso verdade ou erro?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: