Nkewa ye Nlumba – O Macaco e a Lebre

Conto em Kikongo, língua falada no norte de Angola. 

A língua kikongo cobre uma boa parte da região nordeste do País, nas províncias do Zaíre, Uíge e Cabinda. A sua área de difusão estende-se também além das nossas fronteiras, ela é falada na República Democrática Do Congo, na República do Congo e na República do Gabão. O grupo etnolinguístico chama-se Bakongo com quatrocentos e oitenta mil falantes. As línguas vizinhas são: O kimbundu a sul e sudoeste e o Cokwe a leste.

Kikongo

Nkewa ye Nlumba

Ne Nkewa ye Nlumba ba kala akundi. Bazinganga kwawu mpila mosi mbuta ye nleke. Nkansi lumbu kimosi o ne Nkewa wawane Nlumba kutulu, muna kunsakanesa, wantatula omatu mandi ye oyantikidi seva.

O Nlumba wasusumuka oku tulu ye lunzilwa kwayingi.

Kakivovila ko mena mpasi zina walomba endoloko, kansi muna nsi ya tusevo oku vo:

– Enkundi, kufwemiko, ekuma omono ngindwele ematu maku vo tumbembekesa.

– Ke diambuko.

Lumbu yalanda o Nlumba wawana mpe onkundi andi Nkewa waleka, watoma syondoka ye koka engozi vena dya nti. O yandivo:

Nzeye vo o wawu mpe o yandi entangwa andi ifwene. Wa sosa vawu van anti ye kuntawo muna nkila:

O Nkewa wasasumuka oku tulu ye ngazi zawonsono. Wa ka mona o makangu Nlumba kalenda yangula nwa ko. O nlumba onvovisa vo:

– E nkundi, kufwemi ko, ekuma vo mono yabanzidi ankila aku vo nyoka, ona widi kuvanga mpasi ko!

Vana fulu kina, ne Nkewa kalenda vova dyaka konso dyambu ko.

Tradução – O Macaco e a lebre

O Macaco e a lebre eram amigos. Viviam como se fossem irmãos. Porém, um dia, o macaco encontrou a lebre a dormir e para gozar com ela, puxou-lhe as orelhas compridas rindo.

A lebre assustou-se, acordando do sono profundo, muito aborrecida. Ainda não tinha conseguido falar com o macaco, porque estava com muitas dores.

O macaco sendo informado, pediu-lhe perdão. Mas, no meio do riso, disse:

– Oh amiga, não te zangues, é que pensei que estavas a estender as tuas orelhas.

A lebre retorquiu.

– Não há problema.

Alguns dias mais tarde, a lebre encontrou também o seu amigo macaco a dormir, bem estendido ressonando ao pé do tronco de uma árvore. Então disse a si mesma: agora chegou também a hora dele. Procurou por um pau e deixou-o cair com força, sobre a cauda do macaco e este assustou-se, acordando também zangado.

Ao observar que era a sua amiga lebre, o macaco não conseguiu dizer absolutamente nada. Então a lebre disse:

– Oh amigo, não te zangues, é que pensei que a tua cauda fosse uma cobra, que podia fazer-me mal!

Ao ouvi-la o macaco não conseguiu articular qualquer palavra.

Recolha da tradição oral

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: