Angola ganha Leão de Ouro na sua estreia na Bienal de Veneza

O grande prémio para uma representação nacional foi para Angola pelo projeto Luanda, Cidade Enciclopédica, com 23 fotografias do artista Edson Chagas.

O Leão de Ouro da Bienal de Arte de Veneza para a melhor representação nacional foi atribuído esse domingo ao Pavilhão de Angola, país que se faz representar este ano pela primeira vez na mais importantes bienal de artes plásticas do mundo. O outro Leão de Ouro, que destaca um dos artistas representados na mostra, consagrou Tino Seghal, um autor que constrói situações em que outras pessoas cumprem instruções por ele concebidas. A artista francesa Camille Henrot, cuja obra mais recente se inspira na arte floral japonesa ikebana, recebeu o Leão de Prata para um artista emergente. Os prémios foram anunciados hoje de manhã, na inuguração da bienal, pelo seu presidente, Paolo Baratta.

Seis curadores vindos de vários continentes – Jessica Morgan (Reino Unido), Sofía Hernández Chong Cuy (Mexico), Francesco Manacorda (Itália), Bisi Silva (Nigeria) e Ali Subotnick (Estados Unidos) – compuseram o júri internacional desta 55ª bienal, na qual participaram 88 países, incluindo Portugal, que apresentou o projecto Trafaria Praia, da artista Joana Vasconcelos: um antigo cacilheiro convertido em pavilhão flutuante, cujo exterior foi revestido com azulejos pintados à mão que mostram uma vista contemporânea de Lisboa.

No coração da bienal, a mostra comissariada por Massimiliano Gioni, curador geral deste ano, reune150 artistas de 37 países e tem como título O Palácio Enciclopédico, tema com o qual o curador quis evocar o artista ítalo-americano Marino Auriti, um mecânico e arquitecto autodidacta que, nos anos 1950, construiu a maqueta de um edifício que deveria acolher as principais realizações do espírito humano, desde a invenção da roda  até ao satélite. Entre os artistas escolhidos por Gioni está a dupla portuguesa formada por João Maria Gusmão e Pedro Paiva. Em Veneza, mas como evento paralelo à bienal, Pedro Cabrita Reis tem uma grande exposição individual. Na própria bienal, o escultor Rui Chafes e o cineasta Pedro Costa estão entre os artistas que este ano representam oficialmente Cuba.

O projecto angolano, instalado no palácio Cini, um edifício histórico que hoje acolhe uma colecção de arte e mobiliário renascentista, chama-se Luanda, Cidade Enciclopédica, e inclui 23 fotografias de Edson Chagas numa exposição comissariada por Paula Nascimento e Stefano Pansera.

O secretário de Estado da Cultura, Jorge Barreto Xavier, que assistiu em Veneza ao anúncio dos prémios, disse estar “muito feliz” com a escolha do júri, elogiou a “inteligência” e a “sofisticação” dio projecto angolano e considerou que este Leão de Ouro “representa um reconhecimento extraordinário” para a arte contemporânea de Angola.  

Além de Luanda, Cidade Enciclopédica, o pavilhão angolano acolhe ainda a exposição de pintura e escultura Angola em Movimento, com obras vindas da colecção da seguradora ENSA, na qual estão representados artistas como Francisco Van-Dúnem, António Ole, Fineza Teta e Marco Kabenda.

No princípio do ano, Edson Chagas foi um dos seis artistas angolanos que expuseram em Lisboa, no Museu Berardo, na exposição No Fly Zone.

By Jornal Público

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: