Coro: Ongembo kalayesa
Ongembo kalayesa weya
Ongembo kalayesa wé
Mungambo mano yami
Kusukula kungomala wé
Mataku ngambanhela kusukwila
Omalonga yéé!

Tradução

Coro:
A mulher do meu irmão
Não sabe lavar nem engomar!
Nádegas (rabo) dela parece banheira de lavar
Pratos (loiça)!

Informante: Cristina Jaime, 36 anos de idade, natural de Ebo, comuna de Sanga, província de Kwanza Sul, profissão: doméstica, habilitação literária: 6ª classe.
Este é um cântico crítico, geralmente cantada pelas cunhadas (irmãs do marido), para irritarem ou seja abusarem a mulher do seu irmão, por essa não saber fazer nenhum tipo de trabalho doméstico, como lavar e engomar (passar a ferro) a roupa do esposo, mas que detêm um grande corpo e especialmente umas nádegas grande “matako yonene”, que nesta canção é usada a expressão “matako ngambanhela (banheira) kusukwila o malonga”, uma figura de estilo.

Canção ambundu. O grupo etnolinguístico ambundu vive numa grande extensão do território nacional, que se estende entre o mar do rio kwango ultrapassando o curso deste para o leste. O mesmo seguiu para sul abrangendo o baixo e médio kwanza. Mil e quinhentas (1500.000) pessoas são locutoras do kimbundu.

Variantes do povo ambundu são: Songo, Bangala, Minungu, Xinji, Holo, Kari e Kibala. A língua kimbundu domina as províncias do Bengo, Kwanza Norte, norte da província do Kwanza sul, Malange e Luanda. As línguas vizinhas do kimbundu são: a norte o kikongo, a este o Cokwe e a sul o umbundu.

Por Minany Pena

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: