Ekangiso lyaciswe – O castigo da raposa

Conto em Umbundu.

O grupo que fala essa língua é o Ovimbundu. Estende-se no território a meio da metade oeste de Angola, subindo à beira mar para as terras altas. O grupo é formado de Bié, Mbalundu, Sumbi, Mbuvi, Kacisanje, Bumbu, Mdombe, Mwanya, Nganda, Huambo, Sambu, Kakonda e Cikuma.

É o maior grupo etnolinguístico de Angola acima de um milhão e quinhentos de pessoas são agricultores. A língua umbundu é uma das línguas mais centrais de Angola falada no planalto. A sua área de difusão engloba três províncias: Benguela, Uíge e Huambo, também fala-se nas províncias vizinhas do Namíbe, Kwanza sul e Huíla, como línguas vizinhas temos: a norte a língua kimbundu, a leste o Cokwe e Ngangela e a sul o Oshilelo e Nyaneka. As variantes do Umbundu são: Kacisanje, Mbalundu, Sele, Zumbi, Mbwi, Obundu, Ndombe, Muhanya, Nganda, Wambu, Sambu, Kakonda e Cikuma.

Umbundu

Ekangiso lyaciswe

Noke lokuliyeya kumwe kwalwa mekonda kavakwatele elisanjo, catilã vali vovoteke vosanjala yasekulu kondombolo, soma wasokiya okutuma ko ombala kondombolo la ciswẽ.

Wayongwile okukwata obangulo yimwe yocili lavo kavali, momo vakwimbo lyokomêle yo lupale valiyeya wyokuava vapekela. Ovoteke vosi okuywela kapyalã enene lolosanji lomala vavo vimbo lya sekulo kondombolo.

Kakwakale layumwe olinga mwele hati ciswẽ eye ukwabwanja, yosi eyi tusola okumolã luteke. Atatahãyi valwile calwa noke soma wa sokolola hati:

– Te ndi tumata okuuvilikiya. Oco tukonomwise ocitangi, ciyongo okunena mwele uyaki, lekuloya, lolombweti lacosi, kuvamwe vakweto tukasi lavo ocipepi vatema ocili.

Ciswẽ, ukwetombo, wakala lesakalalo, oluluma mwele momo wacikulihã ndakuti kakuli vali umwe wiñgi eye mwele ukwekandu. Haco anda okuvanjiliya kondombolo konjo, lomelê yocili, oco alinge ohuminyo lahe. Nda sima akuti te tukalitwala kumosi, momo tuwaakamba, oco akuti soma lacimwe akapopya.

Kodombolo eci amola kocipalã mekonda walimbuka ale eci ayongwile  utwe wawusolamisa vevava. Ciswẽ wapitilã walama.

– Akamba wasoliwa kondombolo, ndeya palo oco twendele kumosi kusoma.

Ñgasi lusumbo walwa, akamba aciswẽ. Wakuliha eci catutalamẽla? Oco akuti sikakangisiwe mekonda lyokulweya nda tuma ukãyi wange akuti teta utwe.

Ciswẽ wavanja akuti, wacilwa  walupuka toke konjo, oco wahe otetevo utwe, ukãyi watikula ocinjaviti cinene lokulyupilila kumosi wateta utwe wulume.

Oyo ohali yasesamelã ciswẽ momo kakwete vali eci alinga komwenyo nda okunyana vovyamba.

Tradução: O castigo da raposa

Depois de muitas queixas sobre a falta de tranquilidade e sobretudo a noite, no bairro do tio Kondombolo, o soba decidiu trazer à ombala o galo e a raposa.

Pretendia ter uma conversa muito séria com os dois, pois os habitantes daquela zona da cidade queixavam-se de não poderem dormir. Todas as noites uma barulheira danada entre galinha e pintos no bairro do tio Kondombolo, o galo.

Não falhou quem afirmasse categoricamente que era a raposa causadora de toda aquela zaragata, aquela confusão noturna.

Os protestos foram tantos que o soba decidiu, manda-los chamar para esclarecer a questão que causava mesmo um desconforto, tendo os vizinhos se armado, com armas, paus e outros meios, para abaterem o barulhento.

A raposa que é manhosa ficou um tanto aflita, assustada mesmo pois sabia melhor que ninguém, que era ela a verdadeira culpada. Assim foi procurar o galo, de manhã muito cedo, para fazer-lhe a proposta, sugeria que se apresentassem como amigos, de modo que o soba nada teria a dizer.

O kondombolo mal a viu ao longe e suspeitando-se das suas intenções, escondeu a cabeça debaixo da asa.

– A raposa chegou e cumprimentou. – Querido amigo galo, vim cá para irmos juntos ao soba.

– Estou cheio de medo, amiga raposa. Sabe lá o que nos espera? Para evitar maior castigo dos erros que tenho cometido mandei a minha mulher, que me cortasse a cabeça.

A raposa vendo que estava atrasada, correu a casa para que a sua esposa também lhe cortasse a cabeça para não ir a casa do soba. A mulher pegou num grande machado “njaviti” e num só golpe cortou a cabeça do marido.

É o merecido castigo a raposa, já que não tem feito outra coisa na vida se não assaltar as capoeiras.

In recolha da tradição oral

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: