Zikilua – O Túmulo

Zikilua

Muvata dimosi mwakala ye buka kia matoko awana basadiding evangu dia yiya e salanganu ya ntalu yoyina ya zikiluanga kumosi ya wautu atunda avata. Elekwa yayo i wolo, matadi ma ntalo ya meno ma nzau ye yaka yaka.

E fu mwangu muna zikila a mvuama zevata ye lekwa ya ntalou ayinga. E diadi dia songanga e nzitisu ya nkembo kuna kwe nfwe kuna kwa ndiona walembi zikilwa um npila yoyo wayikilua vo nsukami.

E Buka kia matako ye ndumba bakala ye fu kia kuendi aziulanga eziami ya yiyang esalangano yoyo. Lumbu kimosi babakidi ezengo za kwenda giya elekwa yoyo yakala muna ziami kia sob. O yau a mivi bayiyanga mun´etangua za dingi dingi.

Vava se balueke vana fulu bawidi se zidinga muna kinzukidila kia ziami (nkala).

– Ke nuluaki vava ko

– Ke nuluaki vava ko

O nfidi a buka ona wabokelu´anga muna nkumbu yo nzindu. O vutuidi vo:

Yeno aki mani muna kutukakidila muna yansula ovanga esalu nieto? Kadi oyeto tunwa tu tuminu kwa mianda mia ngolo mia vantoto nu butama.

Kansi e dinga zitatameu buge ovaika, kansi a mivi kebawididi e zindinga zozo ko bayantika oziula eziami. Vana vau va kuiza vaika mbandanu omene kikilu ye yakuiza vond´emivi.

Tuka lumbu kiakina e nsangu zamwangana muna fulu yawonso bosi owantu bezidi zaya vo kinga nedifuene ko mun´owu wasakamenanga ezi mjoeve ye mianda mia wantu a fwa.

Tradução: O Túmulo

            Numa certa aldeia, havia um grupo de jovens que se dedicavam a roubar os objectos de valor que eram enterrados com os homens mais valiosos da aldeia. Os objectos eram ouro, diamante, marfim, etc.

Era costume de o povo enterrar os ricos da aldeia com certos objectos de valor. Isso dava certa honra e glória ao falecido. Quem não fosse assim enterrado era considerado pobre.

O grupo de jovens tinha o hábito de abrir as sepulturas e roubar os mesmos objectos. Certo dia, decidiram roubar os objectos que se encontravam na sepultura de um soba. Os ladrões costumavam roubar durante a madrugada.

Quando chegaram ao local, ouviram algumas vozes ao redor do túmulo:

– Não cheguem aqui, não cheguem aqui.

O líder do grupo chamado Nzimbu respondeu:

– Quem são vocês para nos impedirem de realizar o acto? Nós fomos envidados pelos espíritos mais poderosos da terra. Calem-se!

As vozes continuaram a soar, mas os ladrões não deram ouvidos e começaram a abrir a sepultura. De seguida, veio uma grande faísca e matou os ladrões. A partir daquele dia a notícia espalhou-se por toda parte e as pessoas ficaram, a saber, que não se deve brincar com os espíritos e as almas dos defuntos.

Equipa Mwelo Weto. Recolha dos textos da Literatura Oral Angolana.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: