Etiqueta: autores angolanos

“A Representação da Mulher em “O Leito do Silêncio” de Isabel Ferreira”

Por: Domingas Monte RESUMO O presente artigo fala sobre a representação da mulher em “O Leito do Silêncio” de Isabel Ferreira. Pretendemos ao longo dessa abordagem, entender o pensamento e a escrita da autora sobre os vários assuntos que acontecem na sociedade angolana envolvendo as mulheres. O estudo pretende ainda descortinar o papel da mulher

Ler Mais

Rumo

É tempo, companheiro! Caminhemos… Longe, a Terra chama por nós, e ninguém resiste à voz Da Terra…

Nossa Senhora Do Ó

Nossa senhora do Ó… Senhora do ventre pleno, do ventre belo e fecundo, semente que deste o fruto com que Deus salvou o mundo!

Um transferidor medindo os imensuráveis ângulos duma casa, ou uma tentativa de psicocrítica em Os Ângulos da Casa de Hirondina Joshua, por Hélder Simbad

Hélder Simbad, escritor e crítico literário angolano; membro do Movimento Litteragris Não se pode negar o papel activo do inconsciente durante a produção duma obra de arte. Nas palavras de MARINI (1997), o inconsciente está em actividade em toda a produção cultural, mesmo na mais planejada. A imprescindibilidade do seu papel, no âmbito da concepção artística,

Ler Mais

Alfarrabista

Alfarrabista Infortúnio pensante Numa xenofobia de perplexo errante Vem fazer incejos triunfantes Para namorares os seios farsantes … Não tenho ideia Nem alcateia Só tenho a geração Parada pela multidão Nesse tempo sem disponibilidade Do saber ao domicílio Mas nem sequer querem auxílio Alecrim de arrogância Cheirando a ouro Porque me tomas? Hoje prevejo milagres

Ler Mais

PRESENÇA AFRICANA

E apesar de tudo, Ainda sou a mesma! Livre e esguia, filha eterna de quanta rebeldia me sagrou. Mãe-África! Mãe forte da floresta e do deserto, ainda sou, a Irmã-Mulher de tudo o que em ti vibra puro e incerto…

Monangamba

Naquela roça grande não tem chuva é o suor do meu rosto que rega as plantações: Naquela roca grande tem café maduro e aquele vermelho-cereja são gotas do meu sangue feitas seiva. O café vai ser torrado pisado, torturado, vai ficar negro, negro da cor do contratado. Negro da cor do contratado! Perguntem às aves

Ler Mais

Vou virar melodia

Vou virar melodia Daquelas que fazem… A alma transbordar E o coração desmanchar Para derramar todo o pranto Sufocado no meu eu Bem dentro do meu ser Quero libertar os gritos Que vagam e ondulam

MULHER !!!

M» Mulher és mãe sem mesmo conceber U »Ungida foste antes de nascer H »Humildade, benevolência fazem parte da sua inocência E »Ergues sempre a cabeça depois de uma pancada R »Reconheces a derrota mas não lhe dás de mão beijada…   Mulher és soldado mas sem farda                                                                                              

As Mãos da Mãe

As mãos. As mãos calejadas E enrugadas Mãos precocemente envelhecidas E endurecidas As mãos sofridas da mulher Cansadas de sofrer!