Etiqueta: literatura africana

A POLÍTICA DE NETO: Afirmação da construção de um Estado (Análise Literária do Discurso da Proclamação da República Popular de Angola – 11/11/1975)

Por: Isaac Jorge, Joaquim Caundo e Rosa Camolaquenda[1] INTRODUÇÃO A certos homens é-lhes incumbido não só o direito, como o dever passivo de velarem pelo bem comum, intrínseco a cada um de nós, desempenhando diversas funções para alcançarem tal fim. Como estipulou Maquiavel, “Tempos de guerra necessitam medidas extremas”, e estes momentos também requerem inevitavelmente

Ler Mais

A associação Mwelo Weto (Nosso Portal) em parceria com o INICC (Instituto Nacional das Indústrias Culturais e Criativas), anunciam o lançamento do livro: “A Canção Kongo e Ovimbundu – Tradições e Identidades” da escritora e docente universitária Domingas Monte. A obra destina-se a estudantes, professores, investigadores e a todos os que se interessam pela ciência e pelo conhecimento.

“A canção, sobretudo em África, é um pedaço cultural por excelência. A canção, junção de múltiplos ingredientes (voz, letra, melodia, gesticulação, ritmo, instrumento, dança, etc.), pela participação e adesão que cria e impõe sem realmente impor, pode, com razão, ser considerada como um todo único, para além de riquíssimo. É uma das mais ricas manifestações

Ler Mais

NUNCA AMEI

I Se minha boca um dia acaso proferiu juras de “eterno amor” foi engano… mentiu! porque jamais o fogo que o coração inunda, arreigou em meu peito uma paixão profunda.

O LEITE DA LATINHA

Há alguns anos, uma colega, professora na mesma escola onde eu leccionava, conversava comigo sobre como fazer com que a Tininha, sua filha de apenas três anos, bebesse leite. Vendo-a tão preocupada, resolvi ajudar e escrevi o seguinte conto para a minha amiga ler à sua filhota:            “Era uma vez um campo verde, verdinho,

Ler Mais

DIALOGISMOS EM “NGA MUTURI” DE ALFREDO TRONI

Por Joaquim Caundo INTRODUÇÃO Nga Muturi é a típica narrativa oitocentista Angolana, pois retrata inequivocamente e sem sombra de dúvidas a sociedade crioula na qual Luanda estava se transformando na época. Com os portugueses chegando cada vez mais aos milhares e consumando a sua ocupação, nessa que um dia viria a ser a capital do

Ler Mais

Diyala Ni Muhatu: O Homem e a Mulher

Kwakexile diyala watungile ni muhatu we, kyoso kyavala mona mwene umujibha. Uhangele yu wakexile okubanga ithanga yoso. Kizuwa kimoxi muhatu wakexile kuxinganeka okwila ngendu fa se kuxisa mona. Wate ophangu yohaka ootwana twakexile kuvala moxi dya muxi. Dyala kyoso kyamwihula kwehi kuwatula otwana, mwene wakexile kutambwisa:             – Ngavala kambinda.

Dihulu – O Coelho

Dihulu wakexile dinyaka dyonene, fuma ye kiyayi kumabata atungi ni asomi, waxisa tata je yu wayi kutunga ni makamba e mukonda ofuma ni kitadi kyamukatula oyibanzu. Watungu ni makamba mwizwa yavulu. Kithangana kikyabiti wazwela kiki:

Muthu ni Dikixi – O Homem e o Monstro

Muthu ni Dikixi (Conto em Kimbundu)             Diyala dimoxi dyazwela kwamuhatu we okwila: – Twende kumakowe ami kulondekesa otwana twetu. Diyala wayi ni muhatu we ni twana. Kyatula mudyembu, kwakexile kya kuvunda. Mukisulukutu kweza dikixi dimoxi didyazwela kudyala: – Kota, ame na ngoya kukibuta kumoya.

SARAU POÉTICO LITERÁRIO NAS NOITES CULTURAIS COM O MWELO WETO

EDIÇÃO ESPECIAL DO SARAU POÉTICO LITERÁRIO NAS NOITES CULTURAIS COM O MWELO WETO, que aconteceu no dia 30 de Novembro, das 14h às 19h, na Mediateca Zé Dú, ao Cazenga. Os homenageados foram: Viriato da Cruz e Aires de Almeida Santos. Numa tarde cheia de delícias; com momento de conhecimento com os seguintes temas e

Ler Mais

Alda Lara, a poetisa de Benguela

Falar de Alda Lara não seria complicado, se apenas lesse para vós alguma biografia pesquisada aqui e ali, na net principalmente. Mas entrar no seu mundo interior, na sua alma, através do estudo da sua obra é um pouco mais difícil. No entanto, aceitei o desafio lançado pela professora Domingas e, de uma forma muito

Ler Mais